Loading...
Nossos Serviços 2017-07-03T15:33:21+00:00

Obtenção de autorizações legais

A tranquilidade de mais de 400 projetos aprovados

Nossa proposta é que a adequação do seu empreendimento às normas legais aconteça da forma mais ágil e tranquila possível. Por isso, somos especialistas em:

  • Obtenção de anuência junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN);

  • Obtenção de anuência junto ao Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA);

  • Obtenção de Licença Prévia (LP);

  • Obtenção de Licença de Instalação (LI);

  • Obtenção de Licença de Operação (LO);

  • Obtenção de Licença de Operação Corretiva (LOC);

  • Cadastro Nacional Rural (CAR);

  • Elaboração da parte arqueológica do Estudo de Impacto Ambiental (EIA);

  • Atendimento à Instrução Normativa de 2015;

  • Atendimento à Portaria 230 de 2002.

Análises e estudos arqueológicos

O melhor da Arqueologia para o seu empreendimento

A Fronteiras Arqueologia opera a partir de  uma abrangente gama de técnicas arqueológicas, que incluem:

Arqueologia pré-histórica é o ramo mais tradicional da Arqueologia. Afinal, quando estudamos períodos anteriores à criação da escrita, apenas os vestígios materiais podem trazer informações tais épocas. Para tanto, a Arqueologia realiza trabalhos de prospecção e cuidadosa escavação para recuperar dos vestígios materiais. Uma vez recolhidos, os mesmos são analisados para gerar conhecimento sobre os povos que os criaram e utilizaram. O que leva a Arqueologia a utilizar várias disciplinas em suas investigações, como história, história da arte, antropologia, geologia, geografia, linguística, semiologia, física, química, estatística, ciências da informação, e paleontologia, entre outras.
É a parte da arqueologia especializada em sociedades que já utilizavam registros escritos. Em nosso país, a arqueologia histórica pode estudar qualquer período desde a chegada dos europeus. Inclui sítios da ocupação portuguesa, indígena, quilombola, senzalas, cemitérios, estradas coloniais, engenhos, vilarejos, áreas de mineração, entre outros. Trata-se de bem mais que apenas confirmar ou ilustrar os estudos a partir de documentos da época. A Arqueologia Histórica tem se firmado cada vez mais como linha de pesquisa especializada em tudo que, na época, não foi registrado por escrito, incluindo traços culturais, comportamentos e atitudes de todas as classes sociais.
Trata-se de uma especialização ainda um tanto rara da Arqueologia que, além das técnicas e terminologias das Arqueologias Pré-Histórica e Histórica, apresenta outros diferenciais. Um deles é que o arqueólogo também precisa dominar as técnicas de mergulho autônomo. Além disso, as peças, apesar de tendencialmente estarem melhor conservadas que as terrestres, correm maior risco de deterioração ao serem removidas do ambiente em que se encontravam.
É o estudo de pinturas e/ou gravuras pré-históricas, realizadas sobre superfícies rochosas, atestando a presença humana em determinado local. Permite analisar a relação entre a arte e o ambiente, contribuindo para uma melhor compreensão das atividades humanas no passado.
É o uso da geociência como ferramenta de análise arqueológica. Parte do princípio que a atividade humana, por si só, modifica a maneira como o depósito gradual de sedimentos (registro sedimentar) acontece, assim como o registro sedimentar afeta os artefatos humanos.
Muitas vezes, fotografar não é o bastante, sendo necessário também aplicar técnicas de desenho científico para melhor registrar características de peças arqueológicas. Através dessas técnicas, é possível esquematizar e evidenciar as características mais importantes de cada peça para o estudo arqueológico, assim como as marcas da ação humana sobre a mesma.
Conforme exigido na fase de Licença Ambiental, é o conjunto de prospecções intensivas nos ambientes de maior potencial arqueológico dentro da área que sofrerá influência direta do empreendimento, bem como nos locais que sofrerão impactos indiretos que possam prejudicar o patrimônio arqueológico.
É o levantamento do contexto arqueológico e etnoarqueológico de determinada área que sofrerá algum tipo de impacto ambiental, como por exemplo a construção de um condomínio, de uma linha de transmissão de energia ou até de uma hidrelétrica. Envolve tanto uma exaustiva pesquisa de dados secundários sobre a área, quanto a pesquisa arqueológica de campo.
Trabalho voltado para a identificação e salvamento emergencial do patrimônio arqueológico ameaçado. O objetivo também é, nesse caso, liberar a área onde se encontra o sítio arqueológico para que as atividades a serem desenvolvidas na instalação do empreendimento se iniciem.
É o conjunto de ações recomendadas, nas fases de obtenção de licenças de instalação, pelas NORMAS DE GERENCIAMENTO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO, que tratam do acompanhamento arqueológico em empreendimentos potencialmente impactantes. Nestas normas são sugeridas as ações de monitoramento arqueológico, nas fases de supressão vegetal, terraplanagem, instalação dos canteiros de obra, drenagens, áreas de empréstimo, bota-foras, etc. É recomendando um registro escrito e fotográfico de cada fase e compartimento do empreendimento.
É quando ocorrem serviços de preservação e salvamento do patrimônio arqueológico encontrado no decorrer da realização do empreendimento. O Resgate arqueológico é indispensável e fundamental, juntamente com a análise do material colhido, sua curadoria e interpretação dos dados. São procedimentos fundamentais para a leitura e interpretação dos contextos arqueológicos observados nos sítios, e cruciais para a definição de horizontes culturais, a partir da cultura material evidenciada (cerâmica, lítico, louça e etc.).

Estudos do patrimônio imaterial

Porque nosso patrimônio vai além do suporte físico

A Fronteiras Arqueologia está preparada para, através de entrevistas junto à população local, fazer o levantamento do Patrimônio Cultural Imaterial de uma região, realizar o estudo de impacto do empreendimento sobre esse patrimônio e, quando necessário, elaborar projetos para a preservação e manutenção das práticas e saberes daquela população.

Gestão do patrimônio cultural

O melhor cuidado com as raízes do nosso povo

Elaboramos e obtemos aprovação, junto aos órgãos responsáveis, de todo um plano de Gestão do Patrimônio Cultural, que envolve todas as etapas desde a prospecção, o resgate do material arqueológico, seu manuseio e preservação até a entrega para a curadoria em museus.